Kathmandu

Hoje acordei às 6h sem esforço, talvez por ansiedade, talvez pelo fuso, talvez pela expectativa, mas fato é, que perdi o sono e levantei.

Fui a primeira a descer para tomar café. Logo se juntaram a mim o Beto e o Márcio. Aos poucos os outros foram chegando e a mesa foi se enchendo de cores e sons.

P1030193.JPG

Após o café pegamos um ônibus e fomos rumo ao primeiro templo budista. Na verdade, a stupa de Bhouddhanath, o maior templo budista do mundo, é um lugar mágico com uma energia incrível. O templo é rodeado por lojas de souvenires, numa espécie de ilha e também por diversos monastérios. Ficamos cerca de 1 hora, compramos algumas lembranças, oramos, visitamos alguns templos e seguimos para o templo em homenagem à Shiva: Pashupatinah, onde são realizadas as cremações e onde existem os monumentos à Shiva, chamados shiva lingas, esculturas em formato de falo.

P1030203.JPG

P1030211.JPG

P1030221.JPG

P1030225.JPG

P1030232.JPG

P1030248.JPG

Por todo o templo, macacos e vacas caminham tranquilamente em meio aos turistas, locais e saddhus, os chamados homens santos com seus corpos pintados. No momento em que chegamos, algumas cremações estavam terminando no lado “pobre” do templo. No lado “rico”, um corpo estava sendo preparado e poucos familiares estavam presentes.

P1030341 (1).JPG

P1030284 - Pashupatinath.JPG

P1030299.JPG

P1030309.JPG

P1030328.JPG

P1030335.JPG

P1030352.JPG

Fomos conhecer todo o templo, tirar fotos e quando retornamos, a família estava velando o corpo e preparando-o para ser banhado. Havia várias mulheres chorando e aquela energia acabou me atingindo em cheio. Fiquei extremamente mexida com aquela cena e desabei num choro que misturava angústia, tristeza, numa empatia profunda com a energia da morte e da ausência.

P1030296.JPG

P1030317.JPG

O Roberto percebeu isso e me chamou para sair dali. Fomos caminhando em silêncio até o ônibus, o que serviu para me recompor e me botar nos eixos novamente.

Entramos no ônibus depois de driblar a insistência cansativa de uma vendedora de bijuterias, que nos rodeava sem descanso e seguimos para o restaurante.

Almoçamos e fomos visitar algumas lojas no Thamel para que as pessoas pudessem comprar os últimos equipamentos para o trekking.

Retornamos ao hotel por volta das 18h e cada um seguiu para o seu quarto para arrumar as mochilas e marinheiras para o dia seguinte que seria o início da caminhada.

Conheci minha companheira de quarto, a Kiki, recém chegada de Pohkara e conversamos um pouco para nos conhecer.

Descemos para encontrar o grupo, que acabou se dispersando. Parte estava cansada e acabou preferindo jantar no hotel, parte saiu para rodar as lojas e parte, na qual me inseria, saiu para jantar. Fomos para o que seria nosso último jantar “ocidental” antes da trilha e caímos de boca em pizzas, refrigerantes, arrematados por crepes de Nutella, brownies e tortas.

Retornando ao hotel, fui encontrar parte do grupo que estava no restaurante, conversei um pouco e subi para terminar de arrumar as coisas e deitar. Amanhã começa a tão sonhada aventura.

Postagens em Destaque
Postagens Recentes
Siga-me
  • Wix Facebook page
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Faça parte da nossa lista de emails

Nunca perca uma atualização