Cólera (6.000 m.) / Plaza de Mulas (4.300 m.)

Levantamos cedo, ainda cansados da jornada do dia anterior e começamos a ouvir as outras histórias.

O Marcos chegou e deitou só um pouquinho para descansar. Acabou dormindo com os pés para fora da barraca, com os crampons na bota. A Flor também os tirou e o acordou para deitar direito. Lucas e Filipe Ferreira chegaram às 23h com o Carlos. O Bernardo chegou e alguém disse para ele que eu, o Marcos e o André não havíamos chegado. Ele ficou super preocupado, pois nós estávamos na frente e achou que tínhamos nos perdido. Saiu andando e foi em direção ao acampamento Berlim nos procurar. Só quando voltou dizendo que não havia nos encontrado, é que disseram que havíamos sido os primeiros a chegar e já estávamos dormindo.

Tomamos café dentro da barraca, pois fazia muito frio lá fora e fomos nos arrumando aos poucos para a descida até o campo base do outro lado da montanha. Arrumamos tudo, desmontamos acampamento e partimos por volta das 10h30.

A descida também é complicada e em muitas partes temos que “esquiar” a areia com pedras, o que exige cuidado, pois podemos enroscar em alguma pedra e o risco de cair existe o tempo todo. Eu sempre levo alguns tombos e caio de bunda várias vezes.

Começamos a descida numa espécie de escada de pedra, nos segurando num cabo de aço para equilibrar e nos mandamos montanha abaixo. Fomos descendo e passando pelos acampamentos do outro lado: Berlim, Canadá, Nido de Condores e parávamos de vez em quando para descansar e hidratar.

Os meninos aceleraram e sumiram na areia lá embaixo depois de uma parada. O Carlos, o Lucas Sato e o Bernardo ficaram para trás para acompanharem a mim e a Thaís, que estávamos descendo mais lentamente.

Chegamos à Plaza de Mulas, por volta das 14h30 e fomos recebidos pelo Caio, que já estava lá desde o dia anterior. Me recebeu com um abraço e disse, em função de eu ter chegado ao cume, pois como havia descido um dia antes de nós, não sabia quem tinha chegado: "Parabéns. Você não é fraca, não".

Entramos no domo refeitório, coisa que não víamos há 5 dias e nos serviram hambúrguer, pizza e coca cola. Almoço dos deuses.

Que delícia poder provar esses sabores e ficar conversando todos juntos por horas e descompromissadamente.

Ilan, Felber e André decidiram encurtar distâncias e voltar de helicóptero até Horcones. De lá pegariam uma van e à noite já estariam em Mendoza. O restante do grupo resolveu encarar a última grande caminhada no dia seguinte e fechar o ciclo.

Alguns resolveram tomar banho, outros foram arrumar as bagagens e o dia foi passando. Eu e Thaís pensamos em dormir nos beliches na barraca dormitório, mas quando cheguei lá, não me animei. O colchão não estava exatamente limpo, o local era abafado e ainda teria que pagar U$ 25,00. O Caio estava dormindo lá desde o dia anterior.

Por volta das 20h30 fomos acompanhar os meninos até o helicóptero e aproveitamos para conhecer um pouco a vila que é o campo base, com seu comércio, 2 ou 3 bares, cozinha, domos, dormitórios e muitas barracas.

Voltamos ao nosso domo e o Carlos, o Du e o Lucas Sato trouxeram vinho para brindarmos ao sucesso da expedição. Algumas pessoas, entre elas, eu, falaram algumas coisas, agradeceram à experiência que tiveram e aos guias, falaram dos companheiros de viagem e começamos a beber. Pouco depois jantamos e já havíamos bebido 4 garrafas.

Nisso o Carlos e o Du disseram para irmos visitar o Miguel, um pintor que vive 3 meses por ano no campo base e tem a galeria de arte mais alta do mundo, que consta no Guinness Book. Lá fomos nós.

Chegando lá, ele colocou músicas, todos nos sentamos em puffs e ele começou a contar sua vida, sua experiência como executivo e como largou tudo para viver pintando e continuamos a beber vinho. Depois ele pediu para cada um se apresentar.

Após isso, ele tirou a Thaís para dançar tango. Depois ele me puxou e eu disse que o ensinaria a dançar samba. Coloquei meu Ipod e comecei a sambar e ele tentando me acompanhar. Fizemos o Miguel ir até o chão, transformamos o estúdio dele em boate, deixamos apenas uma luz acesa e seguimos dançando e bebendo até às 2h.

Depois de 8 garrafas de vinho, fomos dormir. Estava muito frio e alguns poucos foram para barracas. Os outros afastaram as mesas do domo refeitório e se jogaram no chão com seus sacos de dormir como casulos. Era uma cena engraçada de ver, todos juntos, um ao lado do outro no chão.

Postagens em Destaque
Postagens Recentes
Siga-me
  • Wix Facebook page
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Faça parte da nossa lista de emails

Nunca perca uma atualização