Boa Vista / Santa Elena de Uairén

Enfim dormi e acordei às 07h45 para tomar café e me encontrar com o casal que iria comigo e com os guias para o briefing.

Enquanto tomava café, ficava olhando todo mundo que entrava para tentar localizar alguém com cara de aventureiro, expedicionário, trilheiro, mochileiro e nada.

Ninguém nem minimamente parecido com isso e só não fiquei mais preocupada porque sabia que haveria um casal, mas me senti como quando fiz o Caminho da Luz em Minas. Fiquei completamente sozinha na trilha por 3 dias e acabei abortando a missão.

Claro que agora seria diferente porque eu sabia que haveria outras pessoas, mas foi estranho.

Tomei meu café, comi tapioca com queijo branco, e fui escrever na recepção e aguardar a hora do briefing da expedição. Estava sentada quando um cara perguntou:

- Você vai fazer o Monte Roraima?

- Vou sim.

Ele se apresentou e disse que seria o guia. Seu nome é Everaldo, vulgo Borracha.

Acho que quem é trilheiro, peregrino, trekker, tem cara. A gente se reconhece. Claro que os trajes ajudam, mas acho que existe uma energia diferente.

Aguardei eles arrumarem a sala e nisso chegou o casal com cara de quem faria a expedição e subiu direto.

Fui para a sala e começou o nosso briefing explicando tudo sobre a expedição, mostrando imagens lindas, vídeos fantásticos e dava vontade de sair na hora para já começar a jornada.

Enfim, nosso operador Magno explicou tudo com detalhes, com a maior paciência e simpatia e marcamos nossa saída para Santa Elena para às 12h30.

Resolvemos sair antes, pois tinha a questão das eleições na Venezuela e as fronteiras poderiam ser fechadas, portanto nossa primeira expectativa era que tudo corresse bem e pudéssemos entrar no país. Felizmente nada aconteceu e tudo correu perfeitamente bem.

O casal parece ser bem legal (Álvaro e Tania). São de Brasília e ela é editora da Globo. Mundinho pequeno.

É a 1ª vez que eles vão fazer uma expedição, mas ele é maratonista, preparado. Ela optou por ter um carregador, pois como é sua 1ª vez, ficou preocupada de não dar conta de caminhar carregando a mochila. Decisão acertada.

Saímos de Boa Vista às 13h rumo à Santa Elena de Uairén. A estrada era boa, com algumas partes esburacadas e eu via as casinhas em meio ao nada e pensava como as pessoas sobreviviam naquelas condições.

Chegamos à Paracaima, trocamos alguns reais por bolívares e seguimos até a fronteira.

Quando estávamos lá, encontramos com outro grupo da Roraima Adventures voltando. Eram mais ou menos 10 pessoas, mas só conhecemos dois caras que foram carimbar a entrada de volta ao Brasil.

019.JPG

Chegamos a Santa Elena umas 16h30 e esperamos o Léo, que é um dos guias venezuelanos. Como chegamos antes do combinado, ele não estava na fronteira e nem em Santa Elena. Aguardamos um pouco e resolveram nos levar para o hotel. Combinamos de jantar às 19h com o Everaldo.

020.JPG

021.JPG

Fui tomar banho, lavar a cabeça, já que seria um dos últimos banhos até o retorno. Estava saindo do banho, quando bateram na minha porta. Perguntei quem era e ele disse que era o Léo. Disse que estava saindo do banho e ele disse que iria falar com o casal e depois voltaria.

Ele voltou para falar comigo e foi tão gostoso ouvir de novo aquele sotaque delicioso que eu adoro. Ele disse que passaria no dia seguinte às 07h30 para nos levar para tomar café da manhã e depois até a aldeia.

Fomos jantar com o Everaldo às 19h e o restaurante que ele tinha pensado estava fechado. Rodamos por alguns lugares e acabamos parando num restaurante chinês suspeitíssimo. Pedimos os pratos e a chinesa entrou na cozinha e voltou com todos na mesma hora. Não demorou nem 10 minutos.

Brincamos que os pratos já estavam prontos há uma semana. Não comi quase nada porque confesso que tive nojo da comida e acabei dando quase tudo para uma cachorrinha na rua. Olha que eu já comi muita comida de trilha e em geral elas eram maravilhosas, mas essa do restaurante, literalmente, não desceu.

Voltamos para o hotel e fomos dormir mais cedo, porque amanhã começa a pauleira.

Esqueci de dizer dos 2 táxis que pegamos, na ida e na volta do jantar. Eram 2 ferros velhos, parecendo aqueles carros de Cuba, que vemos nas fotos e filmes. Não tinham fechadura, a pintura era toda descascada, os bancos tortos e em um deles a música era altíssima e o motorista bastante imprudente.

Fui obrigada a me lembrar da Merdedes Benz que me pegou no aeroporto em Roma. Diversidades da vida.

Postagens em Destaque
Postagens Recentes
Siga-me
  • Wix Facebook page
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Faça parte da nossa lista de emails

Nunca perca uma atualização