Plaza de Mulas (4.300 m.) / Horcones / Mendoza

Aos poucos a galera foi acordando no domo e fazia um frio terrível lá fora. Começamos a guardar as coisas, arrumamos as mesas para o café da manhã, arrumamos as marinheiras e partimos para a nossa longa e última jornada dessa expedição.

Hoje teríamos 36 km de caminhada rápida até a entrada do parque e mais 3 h de transfer até Mendoza.

Saímos de Plaza de Mulas por volta das 11h e começamos a caminhar rapidamente pelas pedras da Costa Brava, nos equilibrando e de repente o dia que começou muito gelado, tinha um sol que já se mostrava forte, com tendência a piorar, até atingirmos a famosa Playa Ancha, que são 12 km de uma paisagem que não muda e parece que não acaba nunca.

É uma grande planície aberta, com montanhas ao redor, cheia de pedras sobre as quais andamos e que machucava ainda mais os meus pés com enormes bolhas nos dedões, lembrança da descida do cume. Cada pancada doía muito e tive que me concentrar o tempo todo, pois tinha um imenso caminho pela frente.

A paisagem era bonita, mas o defeito é parecer infinita. O sol veio com toda a força e tínhamos que passar protetor a todo instante que parávamos. Quase não tinha sombra, a não ser uma ou outra grande pedra pelo caminho e às vezes parávamos para descansar embaixo do sol inclemente.

Um dia, um frio terrível, onde nem podemos sair direito da barraca, com direito a ventos fortes e neve. No outro, um sol que castiga o tempo todo sem pena. Haja resistência física para lidar com tanta diversidade climática.

Andamos, andamos, andamos e muitíssimas horas depois, chegamos à Confluência, depois de haver cruzado com as mulas carregando as bagagens, além de outras expedições e de termos cruzado o rio, que estava muito raso, diversas vezes.

Paramos lá para nos hidratar, comer frutas, descansar um pouco e depois seguir rumo à entrada do parque (Horcones). Chegando lá por volta das 18h30, nos confraternizamos novamente, nos abraçamos, choramos e demos parabéns mais uma vez pela grande jornada concluída e pegamos a van que nos levaria à Mendoza.

Paramos no caminho para jantar, regado à cerveja e vinho e depois todos caíram no sono até Mendoza, quando chegamos por volta da meia noite.

Chegamos ao hotel, descarregamos as marinheiras imundas, fomos para os quartos tomar banho e dormir. E todos só falavam em deixar a água escorrer, em ficar embaixo da água morna ou jogados nas banheiras.

Postagens em Destaque
Postagens Recentes
Siga-me
  • Wix Facebook page
  • LinkedIn Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Faça parte da nossa lista de emails

Nunca perca uma atualização